Archive for the ‘filosofia e cultura visuais’ Category

tf22 – porto "sessão de encerramento do II ciclo Fotografia na Arquitectura"

Maio 29, 2009


tema 1 : “Origem e evolução da Leica – Origem e evolução da Fotografia em 35mm”
quando : 01 jun 2009 18:00
por / com : arqº António Madureira
tema 2 : Debate sobre Fotografia de Arquitectura com base nos 10 trabalhos finalistas do Prémio FAUP de Fotografia de Arquitectura (ver post sobre os vencedores aqui)
quando : 01 jun 2009 19:30
por / com : Tereza Siza, Luís Ferreira Alves, Pedro Leão Neto, Tiago Casanova (moderador)
onde : porto – faculdade de arquitectura da universidade do porto (auditório fernando távora), via panorâmica s/n
preço : entrada livre
uma boa oportunidade para :
– quem não teve ainda oportunidade conhecer esta bela obra de arquitectura de siza vieira
– ouvir falar da mítica câmara que todos ambicionaram e que está por trás de muitas das fotos dos clássicos da fotografia
– perceber e discutir com o júri a atribuição do prémio de arquitectura
haverá ainda lugar à inauguração da exposição dos 10 trabalhos finalistas do prémio FAUP de fotografia de arquitectura e respectiva entrega do prémio e Inauguração da Exposição do Concurso GO PHOTO, que serão noticiadas em post autónomo

Porto – Encontro Internacional "Territórios da Fotografia"

Maio 16, 2009



integrado no Festival de Fotografia Maioclaro II, organização da ESAP
integrado nas comemorações do dia dos museus no CPF
nota : neste dia as exposições no CPF estão abertas até às 23 :00
data : 18 maio a partir das 10:00
local : Porto – Centro Português de Fotografia (Sala do Tribunal)
preço : entrada livre
“Os Encontros Territórios da Fotografia pretendem promover a discussão e contribuir para uma reflexão sobre a Fotografia e as contaminações que esta implica, bem como reconhecer o contributo da Fotografia na reinvenção de critérios artísticos.
Apresentando-se a Área das Artes Visuais, como um vasto campo de cruzamento de saberes e competências diversas, pretende-se compreender e analisar o campo de acção da Fotografia e destacar a interacção relacional das várias disciplinas no modo de fazer e pensar a prática fotográfica.”
Miguel Fematt – Mayo-Junio Fotográfico de Xalapa México
Territórios da fotografia mexicana contemporânea
Ulrich Haas-Pursiainen – Festival Backlight Finlândia
Territórios da fotografia finlandesa contemporânea
Rui Prata- Festival Encontros da Imagem Portugal
Raízes da fotografia portuguesa contemporânea
com moderação Ângela Mendes Ferreira
*actividade apoiada pelo Centro de Estudos Arnaldo Araújo

Outras iniciativas dentro do âmbito conjunto do MaioClaro e do dia dos Museus no CPF
data : 18 maio 14:00-17:00
local : Porto – Centro Português de Fotografia (Sala do Tribunal)
preço : entrada livre
Showroom de Equipamento Profissional (COLORFOTO-EPSON)

data : 18 maio 15:00-16:00
local : Porto – Centro Português de Fotografia (Pátio dos Presos)
preço : entrada livre

Atelier de retoque e restauro de fotografia por José Oliveira (ex-Foto Invicta) e leitura onírica de textos do livro Câmara Clara de Roland Barthes

data : 18 maio 16:00
local : Porto – Centro Português de Fotografia (sala de reuniões)

preço : entrada livre
Visita guiada por Nuno Miranda à exposição “Not From Concentrates”

Instante Decisivo (Henri Cartier-Bresson)

Maio 13, 2009

“Para mim a fotografia é o reconhecimento simultâneo, numa fracção de segundo, do significado de um acontecimento assim como da organização precisa das formas que dão a esse acontecimento a sua máxima expressão.”
Henri Cartier-Bresson
Se um génio pode ser definido pela fragilidade de um momento, somente na forma de um instante decisivo se suporta tamanha pretensão. Henri Cartier-Bresson imortalizou-se com um desses fragmentos raros que os deuses permitem aos intrépidos. Em 1932, fotografou um homem a saltar sobre uma poça de água, atrás da Gare de Saint-Lazare, no coração de Paris. A figura projecta-se na apática corrente líquida e a duplicidade que assume induz o olhar para o pé que quase toca na água. Assim, a expressão que teoriza a obra de Bresson, surge no paralelismo que se estabelece entre o salto do homem e o cartaz ao fundo, onde se vislumbra uma eventual bailarina num esforço físico análogo. A redundância aparente, qual figura de estilo deste poema que Bresson capturou, dá lugar à inevitabilidade.
Se a fotografia deixa o enredo suspenso, a sensibilidade traça-lhe o epílogo e consequentemenete encontro entre o reflexo e o corpo.
Cartier-Bresson traduziu estas ideias pelo conceito de “instante decisivo”. Este conceito coloca no olhar e na relação entre o instinto e o racional toda a problemática da fotografia. Essa atenção para o sentido oculto da realidade e para a transmutação fotográfica das coisas relaciona-se com o legado surrealista, que ele sempre assumiu.
(Se pensando em mim te lembras de Anne Geddes, ao pensar em ti só me posso lembrar do grande BRESSON..)

Vicky Cristina Barcelona

Janeiro 23, 2009

fotografia de laurindo Almeida – Fórum Barcelona 2004
sou fã do Woody, dos seus diálogos e da liberdade que dá aos seus actores e portanto não podia perder nesta 5a feira a estreia do seu mais recente filme que como sabemos resultou duma encomenda ao realizador e que lhe trouxe como oferta a agora candidata ao óscar – Penelope Cruz
estarão alguns de vós a pensar, e que está aqui a fazer este post num blog de fotografia ?
o motivo não é a resposta óbvia de que um filme é contituido por um conjunto de fotografias criando “imagens que falam” (usei a expressão com que Dê Dambros caracterizou as fotos do João Almeida num comentário a um post abaixo) até porque já nem sei se isto é verdade, por exemplo o cargo de “director de fotografia” parece que foi substituido por o de “cinematógrafo”
o filme levanta um conjunto de questões sobre a vida, mas também sobre fotografia, duas das figuras centrais do filme são artistas – Juan Antonio e Vicky, pintores que “acolhem” uma turista americana – Cristina, que tira fotografias como passatempo, vejamos algumas :
foto tampa saneamento fórum das culturas barcelona 2004 (Laurindo Almeida)
– será a fotografia arte ? não pretendo recuar algumas décadas a esta discussão que me parece fechada, mas o filme levanta-a quando Vicky (Penelope Cruz) diz a Cristina (Scarlett Johansson) que viu as fotos desta e que estas poderão ser arte
– o que precisa para ser arte ? que formação deve ter o artista ? ministra-se então uma “educação do gosto” acelarada dada por Vicky a Cristina, altera-se o paradigma as fotos deixam de ser espontâneas e tiradas às escondidas e passam a ser “compostas” na acto de fotografar
– será o digital verdadeira arte fotográfica ? é que Vicky convence Cristina a trocar a sua digital e adquirir uma máquina analógica, ensina-lhe os segredos da revelação e ampliação quimica e …
… tcham, tcham, tcham … passamos a ter artista !
fotos retiradas da net, reparem na mudança de postura …
parecem-me bons temas para ouvir os vossos comentários
já me esquecia gostei bastante do filme e acho que é imperdível, e não é seguramente por nostalgia da luz vermelha da câmara escura … e por isso durante alguns dias este blog terá (brevemente …) como fundo uma das música do filme