votar em quem (no Porto) ?

Outubro 9, 2009

foto Miguel e Susana Almeida 2009

Nestas alturas “invejo” aqueles que têm fé ou militância partidária, é realmente muito mais cómodo na vida deixarmo-nos orientar, entregando-nos cegamente quer seja em termos ideológicos, espirituais, clubistas, filosóficos ou outros. Os gurus, os opinion-makers e outros estão lá para nos dizer em cada momento o que fazer e como proceder deixando-nos então livres para outras actividades … como a fotografia (mas mesmo aqui devemos é seguir as tendências da moda, assimilar umas receitas práticas ou pedir a alguém que nos regule o equipamento digital sofisticado que compramos precisamente porque … o podiamos regular exaustivamente !)
Pois mas há alguns reistentes, imbecis, “cãos sem dono”, intelectuais, e outros anormais (no sentido estatistico do termo) que teimam em tentar seguir caminhos pessoais, enfim uns chatos que querem pensar, reflectir e por vezes até descobrir coisas novas, esses degenerados são os que têm a mania de querer saber quem são os candidatos, o que pretendem fazer e coisas dessas sem nenhum interesse prático !
Mas voltemos à linha principal deste escrito, para mim que nunca me filiei em qualquer partido e não milito em qualquer um destes, as eleições autárquicas deveriam ser um acto ainda mais nobre e de decisão fácil que as legislativas. Desde logo porque se podem candidatar grupos de cidadões não afectos a partidos e depois porque deveriamos ter uma eleição de proximidade escolhendo as pessoas e respectivos programas que melhor pareçam servir a nossa autarquia.
Ora eu que habito na freguesia de Ramalde no Porto, e terei que no domingo entregar 3 votos, e que não me considero uma pessoa desinteressada da realidade social e do meu meio deparo-me com uma situação deveras curiosa e interessante :
– Junta de Freguesia- não sei quais as listas apresentadas a sufrágio ! Não sei qual a composição de cada lista e muito menos conheço os seus programas, a única informação que fizeram o favor de me fazer chegar foram 2 folhetos genéricos das candidaturas concelhias do PSD/PP e do PS, onde percebi que o actual presidente da junta se recandidata pela primeira e um antigo presidente pela segundo, mas quem são os restantes membros destas candidaturas e o que pretendem fazer na freguesia ? Que outras listas concorrem e com quem ? Eu não sei e espero que alguém saiba …
– Assembleia Municipal e e Câmara, a informação que possuo é a mesma, mas aqui os orgãos de comunicação e um debate promovido pela Campo-Aberto fizeram-me perceber que para a Câmara há 5 candidaturas de que conheço o primeiro candidato e os nomes de alguns dos restantes em duas delas, mas decomheço a ordem nas listas. Enfim nesses debates pude perceber alguma coisa do que cada um pretende. Dos 5, a candidatura do MRPP de que só conheço o nome do cabeça de lista e nada mais parece uma carta fora do baralho, a sua apatia e falta de opinião e conhecimento manifestado nas intervenções públicas permite-se só considerar as outras 4. Todos me parecem sinceramente bem intensionados mas isso não chega, vejamos :
a. Rui Rio que foi lançado pelo PSD há 8 anos “só para dizes que não apresentava ninguém” já que a eleição era considerada perdida para Fernando Gomes e que para surpresa do próprio partido ganhou, pelo castigo que os portuenses resolveram dar a Gomes pelo desrespeito pela palavra dada e pela petulância do senhor. Gomes decerto agradeceu e lá “coitado” foi colocado nuns “jobs for the boys” como a Administração da Galp onde se atribui a si próprio lucros de milhões em desrespeito por quem trabalha neste país e esquecendo os tais principios “socialistas” que se calhar nunca teve. Mas voltemos a Rio, eleito por acaso, este menino que parecia conhecer da cidade apenas o colégio alemão, dividiu os portuenses, conflituou os cidadões hostilizou o maior clube da cidade (w no presente com maiores êxitos no país e no mundo) , parou a cidade, afastou a generalidade das associações culturais, desportivas, etc., deixou empobrecer a cidade e a região. Rodeou-se de gabinetes e consultores pagos a peso de ouro, entrou em inúmeros processos litigiosos e descaraterizou a cidade, que teimosamente teima em resistir principalmente pela mão de muita da juventude que as universidades vão formando bem como dos turistas que a Ryanair vai trazendo, colorindo uma cidade que vai caindo aos pedaços de tão abandonada parece estar;
b. Elisa Ferreira independene aparece numa candidatura cheia de apoiantes sonantes, de habitantes do Porto que aprendemos a respeitar, mas apesar da competência técnica que penso lhe reconhecermos aparece exaltada e nervosa numa campanha em que o PS parece ter abandonado e aparentemente um pouco desligada das arruadas tão em voga. As suas propostas aparecem confusas e pouco explicadas, refém das politicas do partido que a diz apoiar e nem consegue fazer passar coisas tão simples como a de que foi o PS que criou o agora tão discutido “parque da cidade”
c. Rui Sá. com experiência de trabalho na Câmara, tem poucas ou nenhumas hipóteses de chegar a presidente terá sempre contra ele o afcto de o seu partido e ele prórpio terem apoiado Rio no primeiro executivo permitindo a Rio a maioria. Hoje diz-se traído por Rio não ter cumprido as promessas que lhe fez. Apresenta-se como o vereador mais interventivo e com mais propostas feitas
d. e por último Teixeira Lopes que tenta que o BE tenha o seu primeiro mandato na Câmara
Sinceramente o que me apetece é não votar ou votar em branco devolvendo assim aos politicos a não informação e debate com que nos brindaram no porto e em Ramalde ! Se tivesse filiação ou fosse simpatizante dum partido como cemecei por dizer era fácil a “não escolha”, nesse caso que me interessava quem são os candidatos e quais as alternativas, qual a lista completa e qual a ordem dos seus componentes. Já tinham decidido por mim e eu só tinha que ser “yes man” e colocar a cruzinha no “MEU” PARTIDO (ou COLIGAÇÂO COM O MESMO).
Mas como não tenho partido e quero continuar a decidir e continuo a defender a nossa participação lá terei que tentar descobrir o que não me informaram nem que seja à porta da Assembleia de voto. E para a Câmara tentar votar em alguém que possa ajudar a mudar e arejar a cidade que vem precisada está …

mais Nobel nas nossas fotos …

Outubro 7, 2009

@ laurindo almeida 2009

a Academia das Ciências Sueca premiou este ano com o Nobel da Física 2009 3 cientistas pelos seus trabalhos no campo da luz, designando-os como “os mestres da luz”, luz que é nosso “objecto” de trabalho também …
Assim Charles Kao foi distinguido pelos “avanços no domínio da transmissão da luz em fibras para a comunicação óptica”, e Willard Boyle e George Smith pela “invenção de um circuito semicondutor de imagens, o sensor CCD” – é mesmo esse em que está a pensar !
Bem se fossem portugueses ficaria descansado pois finalmente tinham recebido uma boa recompensa monetária pelo seu trabalho cientifico, mas como baseiam o seu trabalho na terra do tio Sam presumo que este aspecto já não é o mais importante.
Os fotógrafos agradecem o contributo e as alterações que trouxeram ao seu trabalho …

lembram-se da Jane Birkin ? (actualizado)

Outubro 7, 2009


fotos clonadas da net JaneBirkin no file Wonderwall e marketing do filme Boxes
… aquela inglesa (que muitos julgam francesa …) de voz doce e sensual que em 1969 nos trouxe com Serge Gainsbourg uma canção logo por cá (e não só) proibida cheia de sensualidade que finalizava com um orgasmo simulado. “Je t’aime moi non plus” tinha sido inicialmente escrita e gravada com Brigitte Bardot mas esta pediu a sua não publicação.
Jane Birkin tinha sido “a loira” do filme de Antonioni “Blow-up” (1966) e foi mãe da fotógrafa Kate Barry (http://www.r-g-m.net/#/kate_barry/) do seu primeiro casamento com John Barry.

fotos de Kate Berry (retrato de Charlotte Gainsboroug outra filha de jne Birkin, cantora; anúncio para La redoute e foto de jane Birkibn)
Jane Birkin, que tem toda a sua vida intimamente ligada ao cinema, está em portugal para participar na 10a. festa do cinema francês que o Instituto Franco-Portugais está a organizar.
Hoje dia 07 de Outubro 2009, pelas 18:30 no Cinema São Jorge. haverá uma sessão especial do seu filme Boxes, de 2007, em que jane (realizadora e actiz no mesmo) estará presente para uma conversa com o público. No dia 12 de Outubro o filme será rexibido no mesmo cinema.
Dia 08 de Outubro pelas 21:00 no C.C.B. Jane Birkin dará um concerto ao vivo intitulado “Entre Gainsbourg et Birkin”.

(pequeno) tributo a Mercedes Sosa

Outubro 4, 2009


© Laurindo Almeida 2009

Gracias a la vida que me ha dado tanto
Me dio dos luceros que cuando los abro
Perfecto distingo lo negro del blanco
Y en el alto cielo su fondo estrellado
Y en las multitudes el hombre que yo amo.

Gracias a la vida que me ha dado tanto
Me ha dado el sonido y el abedecedario
Con él las palabras que pienso y declaro
Madre amigo hermano y luz alumbrando,
La ruta del alma del que estoy amando.

Gracias a la vida que me ha dado tanto
Me ha dado la marcha de mis pies cansados
Con ellos anduve ciudades y charcos,
Playas y desiertos montañas y llanos
Y la casa tuya, tu calle y tu patio.

Gracias a la vida que me ha dado tanto
Me dio el corazón que agita su marco
Cuando miro el fruto del cerebro humano,
Cuando miro al bueno tan lejos del malo,
Cuando miro al fondo de tus ojos claros.

Gracias a la vida que me ha dado tanto
Me ha dado la risa y me ha dado el llanto,
Así yo distingo dicha de quebranto
Los dos materiales que forman mi canto
Y el canto de ustedes que es el mismo canto
Y el canto de todos que es mi propio canto.

Violeta Parra

não aceito ser ministro …

Setembro 28, 2009

© laurindo almeida, setembro 2009
… e muito menos secretário de estado, decididamente não contem comigo para o próximo governo, aliás não percebo nada dos números resultantes desta eleição, apesar de na minha formação se incluir uma licenciatura em matemáticas, senão vejamos :
– “primeira mentira” a abstenção, ao que tudo indica a força mais votada (oficialmente 39.4 % ou seja 3678536 almas) realmente não teve esta expressão, pelo que o nr. real deverá ser cerca de 2850000 (aliás mesmo em Bruxelas é um valor desta grandeza que é considerado verdadeiro). Embora vejamos na net vários movimentos de opinião a defender a abstenção como forma de estar, para aqueles que como eu lutamos pela democracia temos alguma dificuldade em perceber esta forma de omissão de vontades;
– “segunda mentira” os resultados dos partidos que são apresentados em função dos votos expressos e não em função dos eleitores inscritos dando assim a ilusão duma maior adesão do “povo” que todos dizem representar. Assim os verdadeiros resultados deveriam ser :
abstenção 33.6 %; PS 24.3%; PSD 19.3%; CDS 6.9 %; BE 6.5%; CDU 5.2%; nulos 0.8 %; brancos 1.2%; outros partidos 2.1% o que não alteraria o número de deputados por partido mas daria mais transparência ao resultado
– “terceira mentira” a proporcionalidade dos deputados, mesmo sabendo e aceitando que não se podem eleger deputados pelos não votos dos abstencionistas ou pelos votos brancos e nulos uma proporcionalidade directa daria a seguinte distribuição de deputados eleitos por partido :
– PS 88 (e não 96); PSD 70 (e não 78); CDS 25 (e não 21); BE 24 ( e não 16); CDU 19 (e não 15) e é aqui que reside a grande mentira … não faz sentido o método utilizado nem a distribuição por distritos que prejudica os partidos mais pequenos e de forma desigual, vejamos algumas curiosidades do método na prática nestas eleições :
– a diferença entre o CDS e o BE é de unicamente 0.61 % (nos dados oficiais) mas elegeu mais 5 deputados ! mas a diferença entre o BE e a CDU é de 1.97 % (3 vezes a anterior) e só elegeu mais um deputado !!!!
– na Madeira (tomada como exemplo visto ser uma região com votos muito concentrados) o PSD teve 48.16 % (dados oficiais), ou seja menos de metade dos votos expressos e no entanto elegeu 4 dos 6 deputados daquela região.
Estranha democracia, até aqui é preciso ser “esperto” de forma a aproveitar o “sistema” e não ser justo … deve ser esta a verdade que os partidos que dominaram a politica até aqui (como sabem o PSD foi a força politica que mais deputados elegeu na história da democracia portuguesa seguido do PS) nos impõe.
Nota: já depois de ter publicado este post e tendo os lençois como habitualmente por bons conselheiros verifiquei que este raciocínio tem um erro, já que também fui induzido pela teoria dos “grandes partidos”. Esquecendo que em caso de os deputados serem eleitos nacionalmente o PCTP/MRPP teria eleito um a dois deputados e o MEP poderia ter eleito um, as minhas desculpas.

Índia …

Setembro 25, 2009

foto clonada de boston.com

A Índia (e não os “índios” que esses foram praticamente todos dizimados pelos colonos americanos na sua ânsia de “criarem história”) continua a exibir o seu potencial de imagens surpreendentes, a que não serão alheias os seus vastos território e população com uma panóplia de culturas muito próprias sedimentadas pelos tempos. Não nos esqueçamos que a sua língua é uma das mais importantes do mundo e que presentemente os indianos possuem importantes empresas globalizadas, de que cito a nível de exemplo a TATA, e estão na linha da frente no fornecimento de recursos humanos para sectores tecnológicos de ponta como as Tecnologias da Informação. Estes estranhos contrastes acontecem num país que não conheço localmente mas que vou descobrindo em reportagens, relatos, filmes (como sabem “quem quer ser bilionário” foi filmada na Índia).
Apesar de os Portugueses terem tido lá uma presença importante este país ainda tem para nós algum mistério, sendo que muitos dos portugueses que lá se deslocam o fazem por motivos filosófico-religiosos. Como curiosidade, parece que uma palavra que designa pimenta na índia, ou nalguma das suas regiões, tem uma pronuncia do tipo “putapari” que dizem resultar duma expressão dum português ao provar esta especiaria. No entanto pelo que sei trata-se dum povo acolhedor e não é nada díficil ao fotógrafo encontrar nas redes sociais fotógrafos locais dispostos a acompanhá-los e a ajudá-los a abrir os segredos daquelas paragens e o contacto com os hábitos mais intimos do seu dia-a-dia.

Vem isto a propósito duma reportagem que vimos há uns dias aqui (http://www.boston.com/bigpicture/2009/09/recent_hindu_festivals_and_rit.html ) e que nos traz imagens espectaculares dum festival religioso local. Vale a pena ver estas fotos em que a tradicional falta de côr ambiente é completamente preenchida pelo colorido que as pessoas e as suas criaç~eos enprestam a esses mesmo locais

estranha sensação …

Setembro 22, 2009

quase todos nós já passamos por aquela sensação psicológica normalmente designada por dejá vu e que algumas teorias atribuem a uma falha no cérebro, uma confusão com o armazenamento de acontecimentos que estão a acontecer na memória de médio ou longo prazo sem passarem pela memória imediata, o que se acontecesse neste computador provavelmente provocaria um dos ecrãs azuis de crash do sistema que tanto detestamos.
pois foi exactamente essa sensação que tive ao olhar para a bela fotografia vencedora do concurso Reflex da revista Cais e do BES da autoria da Márcia Monteiro (mais info aqui), não que duvide das capacidades da autora, mas provavelmente por um erro de endereçamento da minha memória … parabéns pela escolha
foto clonada do site da Cais

em campanha (Paulete Matos – BE) …

Setembro 21, 2009

foto clonada do Flickr (http://www.flickr.com/photos/paulete/)

por um artigo publicado no JN de ontem ficamos a saber que Paulete Matos é a fotógrafa que acompanha o BE na campanha eleitoral
Para quem não conhece o trabalho desta Angolana de 57 anos estará decerto a ignorar um dos grandes nomes da fotografia comtemporânea portuguesa que nos inunda com uma profunda sensibilidade (feminina?). Imprescindivel uma visita aos seus álbums no flickr

Parabéns ao Bloco por tão bem se acompanhar e se deixar retratar …

19 de setembro o dia de todas as inaugurações

Setembro 20, 2009

fotos Laurindo Almeida no CPF

este sábado, dia 19 foi o dia de “todas as inaugurações”, o que acontece de quando em vez, em que tudo aparenta concentrar-se num único dia, como se tivessemos arrancado do calendário todos os restantes dias, e só quando nos confrontamos com outros é que percebemos que essa sensação não foi universal, por isso deve ser ilusória ou a precisar do “Xanax” que nunca tomei.
embora por livre escolha tivessemos ido a Montemor-o-Novo assistir ao seminário que aí se realizava, o destino não nos permitiu sair do Porto e assim escolhemos ir ao Centro Português de Fotografia assistir à conferência que antecedeu a inauguração da exposição de Giovanni Chiaramonte no Centro Português de Fotografia e em seguida ir ao novo espaço ALT na R. Santa Catarina.
Dialéticas
acto I – os horários – a conferência estava marcada para as 15:30. tivemos dificuldades em estacionar pelo que só consegimos chegar cerca de 20 minutos após aquela hora, esbaforidos pela corrida deparamo-nos com uma sala praticamente vazia – apenas 2 mestres de cerimónia. Paciência já acabou, pensamos, mas não afinal nem sequer o orador (e autor da exposição) tinha ainda chegado.
o espaço ALT prometia abrir as suas portas pelas 18:30 mas de facto pouco depois das 17:30 já se entrava e circulava pela exposição, 2 posturas mas nenhuma dentro da hora;
acto II – o evento – as cerca de 14 pessoas (a generalidade italianos amigos/familia do artista ou membros do staff ) ouvimos um discurso formal proferido sentado, em italiano de que captamos apenas palavras soltas como “Da Vinci” “telescópio” “arquitectura” “guerra” “fotografia italiana” abrilhantado por algumas imagens projectadas que não pertenciam à exposição. Deve ter sido interessante seguiu-se uma visita à exposição pelos vistos destinada apenas ao autor e a Siza Vieira … na segunda um conjunto de gente divertida, colorida e simpática ornava a inauguração da exposição colectiva deste grupo.
acto III – as fotos – no CPF duas salas de fotos com tonalidades uniformes de uma ponta da sicilia, instantaneos que temos que melhor observar mas que nos pareceram intimistas, no ALT uma exposição diferente do que expectava-mos, cada “quadro” composto por uma foto de uma autor e um rectêngulo negro com uma foto de perfil do autor e um gráfico dos nicknames mais utilizados pelos membros do ALT para designar esse mesmo autor.
Duas exposições para 2 públicos diferentes decididamente
Não tivemos oportunidade de ir a Bombarda fica para a próxima

terão os espanhois escolhido primeiro ?

Setembro 18, 2009

Laurindo Almeida

… assistimos recentemente à introdução no discurso político eleitoral dos conflitos Espanha-Portugal, o que me parece curioso, já que expectava que os partidos do dito “centrão” introduzissem antes o tema “oposto”, pese embora este não conste dos seus programas de governo nesta próxima legislatura que por sinal tem poderes de revisão constitucional (o que como sabem nem sempre acontece), o tema da regionalização que tem trazido riqueza, desenvolvimento e prosperidade aos nuestros hermanos (e noutros países onde foi introduzida) em confronto connosco que continuamos “unos” mas quase todos mais pobres tirando a capital do reino onde se acumulam os politicos … e as riquezas
bem mas porquê falar de espanhois (e de regionalização) neste blog ? o meu post de hoje não pretende tomar partido neste esgrimir de nacionalismos pelos 2 partidos curiosamente mais europeiistas, embora seja sobre espanhois e portugueses :
recentemente foi organizado no país vizinho um grande acontecimento de fotografia – a photoespaña09 com um balanço impressionante durante o seu pouco mais de um mês de funcionamento :
– 693.000 visitantes;- 74 exposições (Madrid, Lisboa, Cuenca, Álcala de Henares)
– 259 fotógrafos e artistas de 40 países;
– 73 patrocinadores e instituições participantes;
– Campus, Encontros de profissionais, concursos, maratona fotográfica, “noite da fotografia” com milhares de participantes e muitas outras iniciativas;
– “descobrimentos” (incentivo a novos valores) em Madrid, Lima e México, onde se analisaram 1146 portfolios de 65 países;
– 26 milhões de acessos ao seu site, presença de 837 jornalistas de 437 medias de 22 países
mas não se ficam por aqui e após o encerramento neste outono vão :
– visionar portfolios em São Paulo e na Guatemala e promover/participar em várias iniciativas em Milão.
A edição de 2010 será entre 02 de junho e 25 julho 2010 e os números devem crescer!
E em Portugal, para além de se explorar os sentimentos de “nada querermos com espanhóis” ? Nós por cá todos bem, dizem fotografia que é isso ? arte fotográfica para quê “ninguém liga”.
As poucas galerias dedicadas à fotografia – como a Serpente no Porto continuam no seu autismo dizendo que só expõe os “seus” artistas, curioso apetece perguntar, e como apareceram, compraram-nos ou nasceram na “loja” ? Quando se propõe à Camara do Porto trazer a fotografia para a cidade, são receptivos em termos de espaços mas desde que alguém patrocine … gostariamos mais de ouvir “Vamos ajudar a procurar patrocinios” … E o que tem isto a ver com regionalização ? Não tem realmente nehuma ligação aparente, mas assistimos a um impressionate conjunto de actividades de iniciativa ou com apoio institucional em Lisboa que não vemos no Porto e no resto do País, num centralismo tido como “natural” pelo poder. Dirão vocês, mas o Porto até tem o CPF, pois tem e fica num belo edificio e se lhe dessem alguns meios potenciariam a organização e e apoio de eventos fotográficos, como está terá que se transferir para Lisboa para que esses meios apareçam. Bem resta Serralves, com forte iniciativa, mas que não é estatal embora pareça que o Estado pense que esta Fundação se deve substituir ao próprio Estado em termos de responsabilidade de cultura no Norte, e infelizmente é isso que tem acontecido, até parece que o Estado pensa que só tem que apoiar a capital, sitio aliás carenciado culturalmente como sabemos. Mas Serralves, perdoe-me o seu director que conheço de longa data, não parece muito voltado para a fotografia e as iniciativas nesta área talvez não sejam muito felizes.
Esclareça-se nada nos move contra Lisboa, antes pelo contrário queremos Lisboa com muitas iniciativas, que saudamos e participamos quando temos disponibilidade, mas ´saudaremos um país muito mais descentralizado nos seus vários aspectos incluindo o cultural.
Claro que também há exemplos positivos. Parabéns a Braga, a Coimbra e a tantas outras localidades que promovem a fotografia. Parabéns ao BES que com mais ou menos felicidade tem apoiado financeiramente algumas iniciativas de arte fotográfica, e parabéns aos Espanhóis que parece que como na anedota “escolheram primeiro”.